A Latam Airlines é uma das companhias que já encomendaram o A350-1000 (Airbus)

O A350-1000 está entre os maiores aviões de todos os tempos, com 73,7 metros de comprimento (Airbus)

A Airbus está neste momento em negociações finais com várias companhias aéreas para formalizar o lançamento do A350-1000ULR, uma variante de alcance ultra longo do maior membro da família A350 XWB, segundo reportagem do Aviation Analyst.

De acordo com a publicação, o bom momento da aviação comercial, que aproveita o preço relativamente baixo do petróleo e a forte demanda de passageiros internacionais, levou uma série de empresas a demonstrarem interesse em adquirir a aeronave com autonomia ampliada ou mesmo converter pedidos de outras versões do A350 pelo novo modelo.

O site também diz que a Airbus planeja disponibilizar o A350-1000ULR antes da Boeing conquistar uma fatia relevante no mercado de jatos de longo alcance com o novo 777X.

O grupo europeu já tem em seu catálogo o A350-900ULR, versão modificada para operar voos de até 17.000 km (2.000 km a mais que o A350-900). A Airbus alcançou essa marca ao acrescentar mais 24.000 litros de combustível nos tanques da aeronave, chegando a um total de 164.795 l. Essa mesma artimanha deve ser aplicada ao A350-1000 para transformá-lo em mais um jato de alcance ultra longo. Atualmente, a versão convencional é capaz de percorrer 16.100 km e pode embarcar até 369 passageiros, cerca de 50 ocupantes a mais que a capacidade do A350-900.

Até o momento, apenas quatro companhias aéreas receberam o A350-1000: Qatar Airways, Cathay Pacific, British Airways e Virgin Atlantic. A aeronave vem sendo elogiada pelo operadores por sua alta disponibilidade e foi descrita como tendo “a melhor entrada em serviço que já experimentamos em um jato da Airbus” por seu cliente de lançamento, a Qatar. “Não houve problemas iniciais, o que é incomum para um novo avião”, disse também um executivo da Cathay Pacific, de Hong Kong, após cinco meses de serviço com o maior modelo da família A350.

Já o A350-900ULR estreou em outubro do ano passado com a Singapore Airlines e vem trabalhando pesado, mas ainda distante de seu potencial máximo. O jato de longo alcance é utilizado pela empresa asiática nos voos mais longos do mundo, entre Singapura e Nova York. O trecho de quase 15.000 km sem escalas é realizado em cerca de 18 horas.

A Singapore voa com o A350-900ULR no voo mais longo do mundo, de Cingapura à Nova York (SIA)

Uma das companhias mais interessadas em adquirir jatos de alcance ultra longo é a Qantas Airways, da Austrália. O CEO da empresa, Allan Joyce, vem desafiando a Airbus e Boeing a desenvolverem esse tipo de aeronave, que deverá ser capaz de realizar voos sem paradas partindo de cidades australianas com destino a Londres ou Nova York em viagens que podem durar mais de 20 horas.

De acordo com a publicação, a Qantas eliminou a possibilidade de comprar o A350-900ULR por conta de sua menor capacidade de passageiros e está considerando adquirir o A350-1000ULR ou o novo 777-8, cujo desenvolvimento foi suspenso recentemente pela Boeing.

O A350-1000ULR também interessa a companhias que atualmente voam com o A380 e pensam em substituí-lo em rotas de longa distância com alta demanda, aponta a reportagem. A produção do superjumbo da Airbus será encerrada em 2021.

A Airbus tem hoje quase mil pedidos pelas aeronaves da família A350 XWB. Esse sucesso de vendas, no entanto, ainda não foi alcançado pelo novo A330neo, considerado o “irmão mais novo” do A350, que soma até o momento apenas 248 pedidos (238 pelo A330-900 e 10 pelo A330-800). A nova geração do A330 também vem sendo ofuscada pelo recém-lançado A321XLR, aeronave de corredor único de baixo custo em rotas mais longas e com menos demanda, muitas das quais antes só podiam ser cumpridas por jatos de grande porte e menos eficientes.

Veja mais: Fim do A380 abre espaço para novo “super avião” da Airbus