A FAB chama o Airbus C295 de SC-105 Amazonas (Airbus)

A Força Aérea Brasileira chama o Airbus C295 de SC-105 Amazonas (Airbus)

O Brasil encomendou mais uma aeronave Airbus C295 de busca e salvamento (SAR) que, eventualmente, elevará a 15 unidades o número de aeronaves desse tipo em serviço pela Força Aérea Brasileira (FAB). No Brasil, o turbo-hélice militar foi designado pela FAB como C-105 “Amazonas” e SC-105 na versão SAR.

Esse pedido constitui a ativação de uma opção inserida em um contrato anterior de 2014. A encomenda foi assinada no final do ano passado e, portanto, será incorporada à carteira de pedidos da Airbus registrados em 2017. As três aeronaves SAR servirão ao lado de 12 C295s configurados para transporte que já foram entregues.

O primeiro dos três aviões SAR foi entregue no ano passado e realizou um tour de cinco semanas por quatro continentes antes de chegar ao Brasil.

Fabricado na Espanha, o SC-105 é equipado com vários recursos de última geração como radar com abertura sintética, imageamento por infravermelho e integração de sistemas e pode monitorar até 640 alvos num raio de 370 km. Segundo a FAB, o Amazonas é capaz de reconhecer um objeto com um tamanho de um bote se movimentando em até 139 km/h.

A aeronave conta com o sistema eletro-óptico FLIR com câmera de baixa luminosidade com zoom de 18 vezes além de sensor infravermelho com capacidade de ampliação de 71 vezes. O aparelho de matrícula FAB 6550 é baseado em Campo Grande, com o Esquadrão Pelicano.

Mini-Hercules: C-105 Amazonas na configuração de transporte (FAB)

Mini-Hercules: C-105 Amazonas na configuração de transporte (FAB)

O novo avião de busca e salvamento da FAB foi um dos meios utilizados na tentativa de localizar o submarino ARA San Juan, da marinha argentina, desaparecido em novembro de 2017.

Veja mais: Avião hipersônico SR-72 já pode ter virado realidade