O primeiro Airbus A350 da SAS estreia a nova pintura (Airbus)

Após revelar seu novo esquema de pintura semanas atrás, a companhia aérea SAS mostrou seu primeiro A350 já ostentando o visual atualizado. A aeronave, que está na fase final de testes na Airbus, deverá ser entregue nas próximas semanas e entrará em serviço em janeiro de 2020.

Batizado de ‘Ingegerd Viking’, o bimotor de longo alcance deixou a área de pintura da fabricante dias atrás e foi fotografado em Toulouse com funcionários formando a designação “A350”.

A Scandinavian Airlines System receberá oito A350 que, juntamente com 80 A320neo, devem ser a base da frota da companhia aérea escandinava. Segundo a empresa, a meta é reduzir as emissões de carbono em pelo menos 25% até 2030.

“O novo design da companhia é um símbolo do nosso futuro, um futuro mais sustentável e competitivo para a SAS, mas que também abraça nossa herança. Os passageiros escandinavos reconhecerão seu lar, enquanto os viajantes globais encontrarão o renomado sentimento dos nórdicos”, afirmou Rickard Gustafson, presidente e CEO da SAS.

A companhia até hoje só teve quatro pinturas desde sua fundação em 1946. O primeiro esquema, que consistia apenas de uma listra azul e vermelha com os brasões de Suécia, Dinamarca e Noruega, além do seu nome por extenso – Scandinavian Airlines System -, durou até 1983 quando foi substituído por uma marcante pintura que permaneceu ativa por 15 anos.

Com fundo branco, a pintura tinha como diferencial as faixas no dorso dos aviões com as cores dos três países e seus brasões na cauda. A denominação da companhia foi encurtada apenas para “Scandinavian” na fuselagem, preservando a sigla “SAS” no estabilizador vertical.

Em 1998, a companhia aérea trocou o esquema por um visual mais sóbrio marcado pela pintura da fuselagem num tom leve de cinza. A cauda passou a ser pintada de azul escuro com o nome “SAS” em branco. Os aviões voltaram a exibir o nome “Scandinavian Airlines” num prata quase imperceptível. Os motores receberam um tom de vermelho e os brasões foram substituído por uma montagem com elementos retangulares.

Destaque para o azul

Na nova pintura, a companhia aérea decidiu focar apenas no azul que, segundo pesquisas, foi a cor associada pelos clientes à ela. A sigla “SAS” tomou o lugar do nome da companhia na fuselagem e agora passou a ser exibida em toda a altura da fuselagem. O nome “Scandinavian” foi inscrito nos motores que exibem uma faixa estreita azul sob fundo prata.

A fuselagem segue com um cinza de fundo e o nome em prata, mas o azul da cauda agora se prolonga até a fuselagem. As bandeiras dos três países nórdicos foram estilizadas em faixas e são a única parte em cores vivas da fuselagem. A empresa aérea pretende concluir a alteração da pinturaaté 2024, aposentando o atual esquema de pintura após 26 anos.

Mercardo tradicional até 1991

Curiosamente, a SAS já não voa para o Brasil há 18 anos. A companhia aérea estreou sua rota de Copenhagen para Rio e São Paulo logo que foi fundada, voo que durou até 1991, quando encerrou suas operações.

Boeing 767 da SAS: voos para o Brasil suspensos em 2001 (Aero Icarus)

Veja mais: Brasil volta a ter um voo para Copenhague, mas apenas cargueiro